FLAGCOUNTER DE ALÔ VIDEOSFERA - LINK IN

LITURGIA DIÁRIA COM O PADRE RÓGER ARAÚJO - 2017 - ANO A - REPÓRTER CATÓLICO - VALDIVINO FILHO

LITURGIA DIÁRIA COM O PADRE RÓGER ARAÚJO - 2017   - ANO A - REPÓRTER CATÓLICO - VALDIVINO FILHO
CLIQUE NA IMAGEM PARA ACESSAR A LITURGIA

domingo

6º DOMINGO DA QUARESMA - ANO A - DOMINGO DE RAMOS - 09/04/2017



Primeira Leitura ( Is 50,4-7)

Leitura do Livro do Profeta Isaías:

4O Senhor Deus deu-me língua adestrada, para que eu saiba dizer palavras de conforto à pessoa abatida; ele me desperta cada manhã e me excita o ouvido, para prestar atenção como um discípulo. 5O Senhor abriu-me os ouvidos; não lhe resisti nem voltei atrás. 6Ofereci as costas para me baterem e as faces para me arrancarem a barba; não desviei o rosto de bofetões e cusparadas. 7Mas o Senhor Deus é meu Auxiliador, por isso não me deixei abater o ânimo, conservei o rosto impassível como pedra, porque sei que não sairei humilhado.
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.

SALMO 21


Responsório (Sl 21)— Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?— Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?
— Riem de mim todos aqueles que me veem, torcem os lábios e sacodem a cabeça: 'Ao Senhor se confiou, ele o liberte e agora o salve, se é verdade que ele o ama!'.
— Cães numerosos me rodeiam furiosos, e por um bando de malvados fui cercado.Transpassaram minhas mãos e os meus pés e eu posso contar todos os meus ossos. Eis que me olham e, ao ver-me, se deleitam!
Eles repartem entre si as minhas vestes e sorteiam entre si a minha túnica.Vós, porém, ó meu Senhor, não fiqueis longe, ó minha força, vinde logo em meu socorro!
— Anunciarei o vosso nome a meus irmãos e no meio da assembleia hei de louvar-vos! Vós que temeis ao Senhor Deus, dai-lhe louvores, glorificai-o, descendentes de Jacó, e respeitai-o toda a raça de Israel!
Segunda Leitura (Fl 2,6-11) 



Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses:


6Jesus Cristo, existindo em condição divina, não fez do ser igual a Deus uma usurpação, 7mas ele esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e tornando-se igual aos homens. Encontrado com aspecto humano, 8humilhou-se a si mesmo, fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz. 9Por isso, Deus o exaltou acima de tudo e lhe deu o Nome que está acima de todo nome. 10Assim, ao nome de Jesus, todo joelho se dobre no céu, na terra e abaixo da terra, 11e toda língua proclame : 'Jesus Cristo é o Senhor', para a glória de Deus Pai.


- Palavra do Senhor
.
Evangelho para procissão
Evangelho (Mt 21,1-11)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.




Naquele tempo, 1Jesus e seus discípulos aproximaram-se de Jerusalém e chegaram a Betfagé, no monte das Oliveiras. Então Jesus enviou dois discípulos, 2dizendo-lhes: “Ide até o povoado que está ali na frente, e logo encontrareis uma jumenta amarrada, e com ela um jumentinho. Desamarrai-a e trazei-os a mim! 3Se alguém vos disser alguma coisa, direis: ‘O Senhor precisa deles’, mas logo os devolverá’”.
4Isso aconteceu para se cumprir o que foi dito pelo profeta: 5Dizei à filha de Sião: Eis que o teu rei vem a ti, manso e montado num jumento, num jumentinho, num potro de jumenta”.
6Então os discípulos foram e fizeram como Jesus lhes havia mandado. 7Trouxeram a jumenta e o jumentinho e puseram sobre eles suas vestes, e Jesus montou. 8A numerosa multidão estendeu suas vestes pelo caminho, enquanto outros cortavam ramos das árvores, e os espalhavam pelo caminho. 9As multidões que iam na frente de Jesus e os que o seguiam, gritavam: “Hosana ao Filho de Davi! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hosana no mais alto dos céus!”
10Quando Jesus entrou em Jerusalém a cidade inteira se agitou, e diziam: “Quem é este homem?” 11E as multidões respondiam: “Este é o profeta Jesus, de Nazaré da Galileia”.


Anúncio do Evangelho (Mt 27,11-54)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Narrador 1: Paixão de nosso Senhor Jesus Cristo, segundo Mateus: Naquele tempo, 11Jesus foi posto diante de Pôncio Pilatos, e este o interrogou:
Leitor: “Tu és o rei dos judeus?” 
Narrador 1: Jesus declarou: 
— “É como dizes”. 
Narrador 1: 12E nada respondeu, quando foi acusado pelos sumos sacerdotes e anciãos. 13Então Pilatos perguntou: 
Leitor: “Não estás ouvindo de quanta coisa eles te acusam?” 
Narrador 1: 14Mas Jesus não respondeu uma só palavra, e o governador ficou muito impressionado. 15Na festa da Páscoa, o governador costumava soltar o prisioneiro que a multidão quisesse. 16Naquela ocasião, tinham um prisioneiro famoso, chamado Barrabás. 17Então Pilatos perguntou à multidão reunida: 
Leitor: “Quem vós quereis que eu solte: Barrabás, ou Jesus, a quem chamam de Cristo?” 
Narrador 2: 18Pilatos bem sabia que eles haviam entregado Jesus por inveja. 19Enquanto Pilatos estava sentado no tribunal, sua mulher mandou dizer a ele: 
Mulher: “Não te envolvas com esse justo, porque esta noite, em sonho, sofri muito por causa dele”.
Narrador 2: 20Porém, os sumos sacerdotes e os anciãos convenceram as multidões para que pedissem Barrabás e que fizessem Jesus morrer. 21O governador tornou a perguntar: 
Leitor: “Qual dos dois quereis que eu solte?” 
Narrador 2: Eles gritaram:
— “Barrabás”. 
Narrador 2: 22Pilatos perguntou: 
Leitor: “Que farei com Jesus, que chamam de Cristo?” 
Narrador 2: Todos gritaram: 
— “Seja crucificado!” 
Narrador 2: 23Pilatos falou: 
Leitor: “Mas, que mal ele fez?” 
Narrador 2: Eles, porém, gritaram com mais força: 
— “Seja crucificado!”
Narrador 1: 24Pilatos viu que nada conseguia e que poderia haver uma revolta. Então mandou trazer água, lavou as mãos diante da multidão, e disse: 
Leitor: “Eu não sou responsável pelo sangue deste homem. Este é um problema vosso!” 
Narrador 1: 25O povo todo respondeu: 
— “Que o sangue dele caia sobre nós e sobre os nossos filhos”.
Narrador 1: 26Então Pilatos soltou Barrabás, mandou flagelar Jesus, e entregou-o para ser crucificado. 27Em seguida, os soldados de Pilatos levaram Jesus ao palácio do governador, e reuniram toda a tropa em volta dele. 
Leitor: 28Tiraram sua roupa e o vestiram com um manto vermelho; 
Narrador 1: 29depois teceram uma coroa de espinhos, puseram a coroa em sua cabeça, e uma vara em sua mão direita. Então se ajoelharam diante de Jesus e zombaram, dizendo: 
— “Salve, rei dos judeus!” 
Narrador 2: 30Cuspiram nele e, pegando uma vara, bateram na sua cabeça. 31Depois de zombar dele, tiraram-lhe o manto vermelho e, de novo, o vestiram com suas próprias roupas. Daí o levaram para crucificar. 32Quando saíam, encontraram um homem chamado Simão, da cidade de Cirene, e o obrigaram a carregar a cruz de Jesus. 33E chegaram a um lugar chamado Gólgota, que quer dizer “lugar da caveira”. 
Narrador 1: 34Ali deram vinho misturado com fel para Jesus beber. Ele provou, mas não quis beber. 35Depois de o crucificarem, fizeram um sorteio, repartindo entre si as suas vestes. 36E ficaram ali sentados, montando guarda. 37Acima da cabeça de Jesus puseram o motivo da sua condenação: 
— “Este é Jesus, o Rei dos Judeus”. 
Narrador 1: 38Com ele também crucificaram dois ladrões, um à direita e outro à esquerda de Jesus. 39As pessoas que passavam por ali o insultavam, balançando a cabeça e dizendo: 
Leitor: 40”Tu, que ias destruir o Templo e construí-lo de novo em três dias, salva-te a ti mesmo! Se és o Filho de Deus, desce da cruz!”
Narrador 2: 41Do mesmo modo, os sumos sacerdotes, junto com os mestres da Lei e os anciãos, também zombavam de Jesus: 
Leitor: 42"A outros salvou... a si mesmo não pode salvar! É Rei de Israel... Desça agora da cruz! e acreditaremos nele. 43Confiou em Deus; que o livre agora, se é que Deus o ama! Já que ele disse: Eu sou o Filho de Deus”.
Narrador 1: 44Do mesmo modo, também os dois ladrões que foram crucificados com Jesus o insultavam. 45Desde o meio-dia até as três horas da tarde, houve escuridão sobre toda a terra. 46Pelas três horas da tarde, Jesus deu um forte grito: 
— “Eli, Eli, lamá sabactâni?”
Narrador 1: Que quer dizer: 
— “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?”
Narrador 1: 47Alguns dos que ali estavam, ouvindo-o, disseram: 
— “Ele está chamando Elias!” 
Narrador 1: 48E logo um deles, correndo, pegou uma esponja, ensopou-a em vinagre, colocou-a na ponta de uma vara, e lhe deu para beber. 49Outros, porém, disseram:
— “Deixa, vamos ver se Elias vem salvá-lo!” 
Narrador 1: 50Então Jesus deu outra vez um forte grito e entregou o espírito. (Todos se ajoelham.)
Narrador 2: 51E eis que a cortina do santuário rasgou-se de alto a baixo, em duas partes, a terra tremeu e as pedras se partiram. 52Os túmulos se abriram e muito corpos dos santos falecidos ressuscitaram! 53Saindo dos túmulos, depois da ressurreição de Jesus, apareceram na Cidade Santa e foram vistos por muitas pessoas. 54O oficial e os soldados que estavam com ele guardando Jesus, ao notarem o terremoto e tudo que havia acontecido, ficaram com muito medo e disseram: 
— “Ele era mesmo Filho de Deus!”

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

1ª Leitura -  Is 50,4-7

HOMILIA DO DOMINGO DE RAMOS

Padre Fábio Siqueira


Vice-diretor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida



Homilia: Domingo de Ramos - Dia 13 abril / Arqrio

(...) em vez de mantos ou ramos sem vida, em vez de folhagens que alegram o olhar por pouco tempo, mas depressa perdem o seu verdor, prostremo-nos aos pés de Cristo. (...) prostremo-nos a seus pés como mantos estendidos.” 
(Santo André de Creta, Bispo, Oratio 9 “in ramos palmarum”)


Com a celebração do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor tem início para nós a Semana Santa, a “Grande Semana”, como era chamada pelos antigos. Era assim chamada em virtude de nela se concentrarem as celebrações que nos colocam em contato com o mistério da morte e ressurreição de nosso Divino Redentor. Embora, em cada Eucaristia, o Mistério Pascal de Cristo, ou seja, a sua morte e ressurreição, se atualize para nós, nesta semana, através de celebrações muito específicas, somos confrontados com cada passo de nosso Salvador em direção à sua Páscoa, desde a entrada triunfante em Jerusalém até a manhã gloriosa do sepulcro vazio.
Hoje, nosso Senhor entra triunfalmente em Jerusalém. É aclamado como “Filho de Davi”, um título messiânico. Nosso Senhor passa por cima de ramos e mantos estendidos, e até mesmo da boca das criancinhas sai a proclamação: “Bendito o que vem em nome do Senhor!” Mas, estes mesmos que aqui o aclamam como Senhor e Rei, gritarão daqui a pouco: “Fora com Ele! Crucifica-o!”. É o mistério do pecado; é o mistério da ingratidão infinita dos homens, que não souberam reconhecer que o Amor os visitava.
O amor infinito de Deus está hoje diante dos nossos olhos, revelado em Jesus Cristo que se entregou por nós no madeiro da Cruz. Hoje a Palavra nos coloca em contato com o Cristo que se esvazia para nossa salvação. A primeira leitura de hoje é do livro do profeta Isaías, e nos traz o “terceiro canto do Servo de YHWH”. Esta figura misteriosa profetizada por Isaías, alguém que assumiria sobre si os pecados dos homens, é o próprio Cristo, que assumiu no seio da Virgem a nossa humanidade, a fim de oferecê-la na Cruz para nossa salvação. Como não reconhecer nestas palavras o Cristo: “Ofereci as costas para me baterem e as faces para me arrancarem a barba; não desviei o rosto de bofetões e cusparadas.” Ele fez tudo isso por nós. Ele experimentou o abandono e sentiu-se angustiado no madeiro da Cruz, como nos revela o Salmo 21, que o próprio Cristo rezou sobre a Cruz, como nos testemunha o evangelista Marcos: “Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste.” Paulo também nos testemunha esta entrega total do Cristo por nós na segunda leitura. Este trecho da Carta aos Filipenses nos apresenta o mistério do esvaziamento de Cristo. Afirma o apóstolo, que sendo igual ao Pai em divindade e existindo desde toda a eternidade junto do Pai, Cristo quis voluntariamente abrir mão da sua glória, a fim de nos salvar. Ele não abriu mão da sua divindade, pois continuou sendo Deus, mas abriu mão da sua glória, daquela glória que Ele revelou aos discípulos no Monte Tabor, daquela glória que Ele sempre teve junto do Pai, a fim de ser igual a nós em tudo, exceto no pecado. Paulo nos diz que Ele assumiu a “condição de servo”, ou seja, sendo Deus, assumiu a forma da criatura e tornou-se igual aos homens: propenso ao sofrimento, às angústias desta vida terrena, à caducidade de nossa condição “pós-lapsária” e condenado a morrer. Ele “humilhou-se” a si mesmo, diz o apóstolo; Ele fez a sua kénosis; Ele se fez obediente até a morte, e “morte de Cruz”, acrescenta Paulo. Ele não somente assumiu voluntariamente a morte, da qual nós corremos, mas o pior gênero de morte: a morte de Cruz, a morte dos malditos, a morte dos criminosos, a morte daqueles – segundo a concepção hebraica – que estavam completamente separados de Deus. O “Filho Bendito” fez-se “maldito” por nós.
E o que fez o Cristo entregar-se assim? Duas coisas: primeiro, a sua confiança infinita no amor do Pai; segundo, o seu amor infinito pelos homens, aos quais Ele desejava revelar o amor do Pai através do seu sacrifício de salvação, que introduziu-nos na vida e no amor bem-aventurado da Trindade Santa. Jesus se entregou assim porque Ele sabia que o seu destino não estava nas mãos dos homens, mas nas mãos amorosíssimas do Pai. Cristo se entregou na Cruz, porque Ele conhecia o amor do Pai por Ele, um amor que não o deixaria nas trevas da morte, e Ele queria revelar aos homens feridos pelo pecado esse amor; Ele queria reintroduzir os homens nesta dança de amor que é a vida da Trindade. O pecado cortou no homem essa capacidade de sentir-se plenamente amado. O homem que até então olhava para cima, para o amor do Pai, passou a olhar para baixo, somente para as criaturas, fez-se o centro de tudo e encontrou a morte. Jesus veio religar-nos com a vida da Trindade através do seu sacrifício reparador. Ele assumiu uma existência como a nossa e a ofereceu voluntariamente, a fim de derrotar a morte que tentou abraçá-lo. Ao abraçar a Fonte da Vida, a morte encontrou o fim do seu reinado. As leituras confirmam essa confiança de Cristo no amor do Pai que o ressuscitaria. Assim vemos na primeira leitura onde o Servo proclama: “Mas o Senhor Deus é meu auxiliador, por isso não me deixei abater o ânimo.” E ainda o Samo 21: “Vós, porém, ó meu Senhor, não fiqueis longe, ó minha força, vinde logo em meu socorro!” E Paulo confirma: “Por isso, (por causa da sua entrega total e confiante) Deus o superexaltou e lhe deu o nome que está acima de todo nome.” O próprio Cristo na Cruz não aqui neste relato da Paixão que lemos, mas no relato da Paixão segundo Lucas (Lc 23,46) exclama: “Pai, em tuas mãos eu entrego o meu espírito.” Cristo se entrega confiantemente nas mãos do Pai, porque Ele sabe que o Pai o ama e ressuscitá-lo-a. Cristo morre por nós, a fim de nos revelar que o Pai nos ama, que no seu sacrifício toda a Trindade está presente, a fim de que sejamos salvos e reintroduzidos na posse da vida eterna.
Ao contemplarmos este mistério de amor, devemos glorificar a Deus. Devemos “agitar os nossos ramos espirituais”, como nos diz Santo André de Creta. Devemos nos prostrar em adoração, como nos diz o mesmo santo em um de seus escritos: “(...) em vez de mantos ou ramos sem vida, em vez de folhagens que alegram o olhar por pouco tempo, mas depressa perdem o seu verdor, prostremo-nos aos pés de Cristo. (...) prostremo-nos a seus pés como mantos estendidos.” (Santo André de Creta, bispo, Oratio 9 “in ramos palmarum”)
Caríssimos, até que cheguemos na vida eterna que o Cristo conquistou para nós no madeiro da Cruz, devemos passar também pelo mistério da nossa cruz. Mas, devemos nos lembrar que na Cruz d’Ele a nossa também estava significada. Devemos confiar como Ele confiou e devemos nos entregar como Ele se entregou. Nós não somos vítimas de nada nem de ninguém. Ainda que tomem a nossa vida, nós estamos sempre nas mãos do Pai como Cristo. E o Amor do Pai nos ressuscitará. Nunca cairemos das mãos de Deus. Podemos, se quisermos, descer dela e vivermos por nós mesmos, mas Ele nunca nos deixará cair de suas mãos santas. Ele nos segura e sustenta. Em nossas cruzes não desanimemos, mas façamos como Cristo: continuemos caminhando com o rosto “impassível como pedra”, como dizia Isaías na primeira leitura, confiando que no final de tudo o amor infinito do Pai que o Cristo nos revelou fará conosco como fez com o Cristo: nos ressuscitará e nos colocará no Reino que para nós está preparado desde a fundação do mundo. Neste Reino, Cristo entrou gloriosamente, porque Ele é o Rei e sempre foi assim. Seguindo-O entraremos também nós neste Reino de amor e comunhão infinitos. Confiemos no Pai, abandonemo-nos nas mãos d’Ele e continuemos em paz.
FONTE

https://youtu.be/CVoUzbTFExU

Marcadores



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

OBRIGADA PELA VISITA. VOLTE SEMPRE!

OBRIGADA PELA VISITA. VOLTE SEMPRE!