FLAGCOUNTER DE ALÔ VIDEOSFERA - LINK IN

LITURGIA DIÁRIA COM O PADRE RÓGER ARAÚJO - 2017 - ANO A - REPÓRTER CATÓLICO - VALDIVINO FILHO

LITURGIA DIÁRIA COM O PADRE RÓGER ARAÚJO - 2017   - ANO A - REPÓRTER CATÓLICO - VALDIVINO FILHO
CLIQUE NA IMAGEM PARA ACESSAR A LITURGIA

terça-feira

POSSO SABER SEMPRE QUE DEUS ME AMA E SE PREOCUPA COMIGO?

Se não conseguir a tradução para o português, selecione o idioma espanhol e tudo certo, não é?



Can I always know that God loves and cares about me?

If I became a Christian, can I always know that God loves and cares about me?
I got married nineteen years ago to a wonderful woman. And it's really funny when you get married. You're just in love. I mean the romance is flying all over the place.
The day that you get married you give each other a symbol of getting married, and that symbol is traditionally a wedding ring. You get married, you give each other rings, and then you hit life. And life comes at you pretty hard and fast.
You're off getting a career. Kids come along. Life gets really really busy. Sometimes that romance is there all the time. And other times, quite frankly, we have teenagers, it's not always there.
But you know what's always there? The wedding ring. Sometimes when the romance isn't necessarily firing on all pistons, you look at the wedding ring and it reminds you, oh yeah, we do love each other. We are committed to each other for life.
I think the same thing is true in Christianity. Are there times when I don't particularly feel loved by God and God isn't particularly close? Yeah, that's really true . But those are the times that I look at the cross, and I realize, two thousand years ago, Jesus loved me enough to die a horrible death. Loved me enough to do that. Yeah, that's really true.
And actually there's been long seasons when that is true, where I don't see God, and I don't particularly feel loved by God. But He has given me a symbol that is just as real as this wedding ring, and that is the cross.
Two thousand years ago Jesus Christ died. And he didn't just die for humanity. Jesus died for each one of us individually.
In Romans chapter 8, verses 31 and 32, the apostle Paul says, "What will you say to God when you learn that He gave the most important thing for you?" And that most important thing isn't your grade point. That most important thing isn't a relationship. That most important thing is, he gave you Jesus.
One theologian said this, "What do you do with a God who would rather die than be without you?" So there are times that God feels distant. There are times that I don't feel lovewedding ring. I remember the commitment Jesus made to me, the sacrifice He made for me, and it really does communicate to me, both intellectually and emotionally, that Jesus does love me regardless of my emotions always kicking.


FONTE:

PUBLICADO EM:

SUA ESCOLHA.COM

DEUS RESPONDE AS NOSSAS ORAÇÕES? POR MARILYN ADANSON


Você conhece alguém que realmente confia em Deus? Quando era atéia, uma grande amiga minha costumava me contar toda semana algo específico pelo que ela estava orando, na certeza de que Deus iria tomar providências. E toda semana eu costumava contemplar Deus agindo de maneira incomum para responder suas orações. Você sabe como é difícil para uma atéia observar fatos como esses, semana após semana? Depois de um certo tempo, dizer que não passava de “coincidências” se tornou um argumento muito fraco.

Então, por que Deus respondia as orações da minha amiga? A maior razão para isso é porque ela tinha um relacionamento íntimo com Ele, desejava segui-lo e, realmente ouvia o que Ele tinha a dizer. Em sua mente, Deus tinha o direito de dirigir sua vida e ela o fazia se sentir bem-vindo para fazer justamente isso! Quando ela orava por determinada coisa, era porque, de certa forma, se sentia muito confortável ao se achegar a Deus com suas necessidades, suas preocupações, ou qualquer assunto referente a sua vida. Além disso, estava convencida, pelo que lia na Bíblia, que Deus queria mesmo que ela descansasse nele assim.

Ela basicamente colocava em prática o que esta frase bíblica diz: “Esta é a confiança que temos ao nos aproximarmos de Deus: se pedirmos alguma coisa de acordo com a sua vontade, ele nos ouve.” (1 João 5:14 ) “Porque os olhos do Senhor estão sobre os justos e os seus ouvidos estão atentos à sua oração, mas a face do Senhor está contra os que praticam o mal.” (1 Pedro 3:12 )
Então, por que Deus nem sempre responde às orações de todos?

Pode ser porque nem todos tenham um relacionamento com Ele. Eles devem saber que Deus existe, devem até adorar a Deus de vez em quando. Mas esses que nunca parecem ter suas orações respondidas, provavelmente não desenvolveram um relacionamento com Deus. Além disso, eles nunca devem ter recebido de Deus perdão completo de seus pecados. “O que uma coisa tem a ver com a outra?”, você deve estar se perguntando. Aqui está a explicação: “Certamente, o braço do Senhor não está encolhido para salvar, nem seu ouvido fechado para ouvir. Mas suas iniqüidades separaram vocês de Deus. Seus pecados esconderam a face dele de vocês, então ele não os irá ouvir.” (Isaías 59:12)

É muito natural sentir essa separação de Deus. Quando as pessoas se voltam para Ele a fim de colocá-lo a par de algo, ou para pedir algo, o que geralmente elas fazem? Começam dizendo: “Deus, eu realmente preciso da tua ajuda neste problema…”. E aí há uma pausa, seguida de: “Eu sei que não sou uma pessoa perfeita, que realmente não tenho direito nenhum de te pedir isso…”. Existe um conhecimento pessoal de pecados e fracassos. E a pessoa sabe que Deus está ciente disso também. Há uma noção de: “Com quem penso que estou brincando?”. O que eles não devem saber é como podem receber o perdão de Deus por todos os seus pecados e como podem desenvolver um relacionamento pessoal com Deus, para que então Ele possa ouvi-los. Este é o fundamento básico para que Deus responda suas orações.
Como Orar: O Fundamento Básico

Primeiro você deve começar um relacionamento com Deus. Imagine que um rapaz chamado Marcos decide pedir ao reitor da Universidade de Federal do Rio de Janeiro (alguém que ele nem ao menos conhece) que autorize o empréstimo de um carro para ele. Marcos teria chance nula de conseguir ser atendido. (Estamos presumindo que o reitor da UFRJ não seja idiota). Por outro lado, se a filha deste mesmo reitor pedisse a seu pai que autorizasse um empréstimo de carro para ela, não haveria problema algum. Um relacionamento pessoal conta muito.

Com Deus, quando alguém é verdadeiramente seu filho, quando alguém pertence a Ele, Ele o conhece e ouve suas orações. Jesus disse: “Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem. As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna, e elas jamais perecerão; ninguém as poderá arrancar da minha mão.” (João 10:14, 27-28)

Quando o assunto é Deus, você realmente o conhece? E Ele conhece você? Você tem um relacionamento com Ele que garanta a resposta de suas orações? Ou Deus está bem distante, sendo apenas um conceito em sua vida? Se Deus está distante, ou você não tem certeza de que o conhece, aqui está uma maneira de começar a se relacionar com Ele agora mesmo: Conhecendo Deus pessoalmente.
Será que Deus vai responder sua oração definitivamente?

Para aqueles que realmente o conhecem e descansam nele, Jesus parece ser muito generoso em sua oferta: “Se vocês permanecerem em mim, e as minhas palavras permanecerem em vocês, pedirão o que quiserem, e lhes será concedido.” (João 17:7 ) “Permanecer” em Cristo e ter as palavras dele dentro de nós significa que conduzimos nossas vidas sob o comando dele, descansando nele, ouvindo o que Ele tem a dizer. Assim, estaremos aptos a pedir a Deus qualquer coisa que desejarmos e Ele responderá. Aqui está outra vantagem: “Esta é a confiança que temos ao nos aproximarmos de Deus: se pedirmos alguma coisa de acordo com a sua vontade, ele nos ouve. E se sabemos que ele nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que temos o que dele pedimos.” (1 João 5:14-15) Deus responde nossas orações de acordo com a sua vontade (e de acordo com a sua sabedoria, seu amor por nós, sua santidade…).

Nós erramos ao assumirmos que sabemos qual é a vontade de Deus, quando somente alguma coisa faz sentido para nós! Nós assumimos que há somente uma “resposta” correta para cada oração específica, tendo a certeza de que AQUELA é a vontade de Deus. E é aí que fica mais difícil. Nós vivemos dentro dos limites do tempo e do conhecimento. Temos apenas informações limitadas sobre cada situação e sabemos algumas implicações de ações futuras nessas determinadas situações. O entendimento de Deus é ilimitado. Como um evento ocorre no curso da vida ou da história é apenas algo que Ele já sabe. E Ele deve ter propósitos muito além daqueles que podemos imaginar. Logo, Deus não fará algo simplesmente porque determinamos que essa deveria ser a sua vontade.
O que é preciso? O que Deus está inclinado a fazer?

Páginas e páginas poderiam ser preenchidas com as intenções de Deus para nós. A Bíblia inteira é uma descrição do tipo de relacionamento que Deus quer que experimentemos com Ele e do tipo de vida que Ele quer nos dar.

Aqui estão alguns exemplos:“…o Senhor espera o momento de ser bondoso com vocês; ele ainda se levantará para mostrar-lhes compaixão. Pois o Senhor é Deus de justiça. Como são felizes todos os que nele esperam!” (Isaías 30:18 ) Você captou isso? Como alguém que se levanta de sua cadeira para oferecer ajuda, “Ele se levanta para lhe mostrar compaixão”. “Este é o Deus cujo caminho é perfeito; a palavra do Senhor é comprovadamente genuína. Ele é um escudo para todos os que nele se refugiam.” (Salmo 18:30) “O Senhor se deleita naqueles que o temem [reverenciam], que colocam sua esperança em seu leal amor.” (Salmo 147:14)

De qualquer maneira, a maior demonstração do amor e da compaixão de Deus por você é expressa pelas seguintes palavras de Jesus: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos” (João 15:13 ), que nada mais é do que o que Cristo fez por nós. Então, “Aquele que não poupou a seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos dará, juntamente com ele, gratuitamente todas as coisas?” (Romanos 8:32)
E o que dizer das orações “não respondidas”?

Certamente as pessoas ficam doentes e até morrem; problemas financeiros são reais, e toda sorte de situações difíceis é passível de acontecer na vida de qualquer um. O que fazer então?

Deus nos diz para levar todas as nossas preocupações a Ele. Mesmo quando a situação parecer irremediável, “Lancem sobre ele toda ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês.” (1 Pedro 5:7) As circunstâncias podem parecer estar fora de controle, mas não estão. Quando o mundo inteiro estiver desabando, Deus ainda pode e sempre poderá segurá-lo em suas mãos. É aí que uma pessoa pode se sentir muito agradecida por ter o privilégio de conhecer a Deus. “Seja a amabilidade de vocês conhecida por todos. Perto está o Senhor. Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo entendimento, guardará os seus corações e as suas mentes em Cristo Jesus.” (Filipenses 4:5-7) Deus pode providenciar soluções para os seus problemas além do que você considera ser possível. Provavelmente, qualquer cristão pode listar exemplos como esse em suas próprias vidas. Mas se as circunstâncias não melhorarem, Deus ainda pode nos dar a sua paz em meio a tudo isso. Jesus disse: “Deixo-lhes a paz; a minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbem os seus corações, nem tenham medo.” (João 14:27)

É neste ponto (quando as circunstâncias ainda estiverem difíceis) que Deus nos pede para continuar a confiar nele – para “andar pela fé, não pela visão”, diz a Bíblia. Mas não é uma fé cega; é baseada no caráter de Deus. Um carro viajando pela ponte Rio-Niterói é totalmente sustentado pela integridade da ponte. Não importa o que o motorista possa estar sentindo, ou pensando, ou discutindo com o passageiro do outro assento. O que faz o carro chegar seguramente ao outro lado da ponte é a integridade dela, na qual o motorista resolveu confiar. Do mesmo modo, Deus nos pede para confiarmos em sua integridade, seu caráter, sua compaixão, amor, sabedoria, retidão e justiça em nossa defesa. Ele diz: “Eu tenho amado com amor eterno; com amor leal a atraí.” (Jeremias 31:3 ) “Confie nele todo o tempo, ó povo. Coloque diante dele o coração, pois ele é o nosso refúgio.” (Salmo 62:8)
Em Resumo…Como Orar

Deus se ofereceu para responder as orações de seus filhos (aqueles que receberam Jesus em suas vidas e buscam segui-lo). Ele nos pede para levar qualquer preocupação até Ele em oração, pois Ele agirá por nós de acordo com a sua vontade. Enquanto lidamos com dificuldades, temos de lançar sobre Ele nossas aflições e receber dele a paz que desafia as circunstâncias. A base da nossa esperança e fé é a pessoa de Deus. Quanto mais o conhecermos, mais aptos estaremos a confiar nele.

Para saber mais sobre o caráter de Deus, por favor leia o artigo “Quem é Deus?” ou outros artigos neste site. A razão das nossas orações é o caráter de Deus. A primeira oração que Deus responde é a oração em que você expressa o seu desejo de começar um relacionamento com Ele.

FONTE:

SITE; SUA ESCOLHA.COM














sábado

LITURGIA DOMINICAL - 7° DOMINGO DO TEMPO COMUM - 19/FEV/2017 - ANO A




CRÉDITOS: INTERNAUTAS MISSIONÁRIOS:

OLÍVIA COUTINHO



ACESSE:



“... E TRANSFIGUROU-SE DIANTE DELES.” - Olívia Coutinho.

Dia 18 de Fevereiro de 2017

Evangelho de Mc 9, 2-10

"Somos filhos e filhas amados de Deus que deseja percorrer o mesmo caminho que Jesus percorreu, atualizando esta caminhada no contexto do mundo de hoje.
Se enxertados em Cristo, não vamos ter dificuldades em viver dentro do plano de Deus, no respeito e no cuidado com o que lhe é de mais precioso que é a vida humana!
O Evangelho que a liturgia de hoje nos apresenta, fala-nos da transfiguração de Jesus!
“Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João e os levou a um lugar à parte, sobre uma alta montanha para rezar. Enquanto rezava, Jesus transfigurou-se diante deles. Suas roupas ficaram brilhantes e tão brancas como nenhuma lavadeira sobre a terra poderia alvejar”.
A transfiguração de Jesus, mostrou aos discípulos, a sua intimidade com o Pai, assegurando-os da sua ressurreição após a sua morte de cruz!
Naquele instante, Pedro, Tiago e João, puderam visualizar o encontro de Jesus com o Pai. A partir de então, eles, que andavam tristes, desapontados com as últimas revelações de Jesus, a respeito da próxima ida. 

"SEDE PERFEITOS COMO VOSSO PAI CELESTE É PERFEITO." - Olivia Coutinho

7º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Dia 19 de Fevereiro de 2017

Evangelho de Mt 5, 38-48

Num mundo, onde impera o individualismo, a competitividade, as pessoas vão perdendo o senso do amor, do respeito, do perdão... E assim, muitos, vão distanciando da sua verdadeira origem, descaracterizando a sua imagem e semelhança de Deus.
Indiferentes aos apelos de Jesus, que vem nos trazer uma proposta de vida Nova fundamentada no amor, muitas pessoas, voltadas para si mesmo, acabam perdendo de vista o maravilhoso horizonte da paz, do amor, da fé...
A palavra amor, talvez seja a palavra mais ouvida no mundo, no entanto, é uma das menos vivida, tudo porque, o ser humano está perdendo a cada dia, a referencia do amor, que é sua identidade de filho e de filha de Deus. 
O amor é a nossa primeira vocação, Deus nos criou por amor e para o amor, portanto, é o amor de Deus, infundido em nossos corações, que nos leva a amar, a amar não somente aqueles que nos ama, como também, a aqueles que nos persegue!
Querer o bem do outro, independente do mal que ele tenha feito contra nós, é amar do jeito de Jesus, é amar o outro, pelo simples fato de sermos irmãos em Cristo, filhos do mesmo Pai! 
Não são as diferentes formas de comportamento das pessoas, que vão determinar as nossas atitudes para com elas, e sim, o amor de Deus infundido no nosso coração, é este amor que nos leva a superar qualquer forma de injustiça praticado contra nós!
Como filhos do amor, seguidores de Jesus, temos que fazer a diferença no mundo, amar também aqueles que não nos quer bem, se amarmos somente as pessoas que nos ama, que diferença faremos?
O ponto central do evangelho que a liturgia de hoje coloca diante de nós, é o amor, o amor sem fronteiras, o amor gratuito, que não impõe condições!
O texto que nos é apresentado provoca-nos a um grande desafio: "amar os nossos inimigos”! Como tornar isso possível, se humanamente estamos sempre prontos para o revide? Jesus, nos ensina como quebrar esta barreira do nosso ego, a pôr fim no círculo vicioso da vingança, que é dar às ofensas que recebemos, uma resposta de amor, ou seja: Jesus nos exorta a fazer o bem a quem nos fez o mal!
O amor divino é a fonte que irriga o amor humano, no qual, encontramos o modelo de perfeição que é Jesus, portanto, quem ama verdadeiramente, ama com o amor de Jesus, abraçando neste amor, até mesmo o inimigo!
“Sede perfeitos como vosso Pai celeste é perfeito.” Com estas palavras, Jesus nos convida a ser santo!
Sabemos que o caminho da Santidade não é fácil, pois nele está presente a cruz e o grande desafio de amar quem não nos ama! Os santos viveram isso, por isto, chegaram à perfeição!
Lembremo-nos: O amor é a presença de Deus em nós, e se Deus é amor, quem vive em Deus vive no amor, está no caminho da santidade."

FIQUE NA PAZ DE JESUS! – Olívia Coutinho
Venha fazer parte do meu grupo de reflexão no Facebook

Amai vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam
“A liturgia deste domingo nos convida a amar a todos sem exceção, até mesmo os que nos querem mal. Assim nos aproximaremos da santidade de Deus e seremos perfeitos como o Pai celeste. Somos hoje chamados a pôr nossa glória em Cristo e fazer a diferença contra o espírito de vingança e insensatez reinante na sociedade” (Liturgia Diária)

Dos versículos 38 a 42: “Tendes ouvido o que foi dito: Olho por olho, dente por dente. Eu, porém, vos digo: não resistais ao mau. Se alguém te ferir a face direita, oferece-lhe também a outra. Se alguém te citar em justiça para tirar-te a túnica, cede-lhe também a capa. Se alguém vem obrigar-te a andar mil passos com ele, anda dois mil. Dá a quem te pede e não te desvies daquele que te quer pedir emprestado”.
O padre Bantu disse que Jesus “nos leva ao mandamento da caridade, não só para melhor compreendê-lo, mas também como concretamente vivê-lo. O Senhor nos ordena a dar a todos, tudo o que eles nos pedem: que todos sejam cumulados, por nossa generosidade, de tudo o que lhes falta. Façamos de modo que eles não sofram nem de sede, nem de fome, nem da falta de vestes. E então, seremos encontrados dignos dos bens que faltam a nós mesmos e que pedimos a Deus, pois o costume de dar nos merecerá obtê-los”.
A Palavra diz: “Vede que ninguém pague a outro mal por mal. Antes, procurai sempre praticar o bem entre vós e para com todos” (1Ts. 5,15)
“Quem ama, corre, voa; vive alegre, é livre e nada o embaraça. Dá tudo a todos; e possui tudo em todas as coisas, porque sobre todas descansa no único Sumo Bem, do qual manam e procedem todos os bens” (Imitação de Cristo)
A Palavra diz: “Não pagueis a ninguém o mal com o mal. Aplicai-vos a fazer o bem diante de todos os homens. Se for possível, quanto depender de vós, vivei em paz com todos os homens” (Rm. 12,17-18)

Dos versículos 43 a 48: “Tendes ouvido o que foi dito: Amarás o teu próximo e poderás odiar teu inimigo. Eu, porém, vos digo: amai vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, orai pelos que vos [maltratam e] perseguem. Deste modo sereis os filhos de vosso Pai do céu, pois ele faz nascer o sol tanto sobre os maus como sobre os bons, e faz chover sobre os justos e sobre os injustos. Se amais somente os que vos amam, que recompensa tereis? Não fazem assim os próprios publicanos? Se saudais apenas vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Não fazem isto também os pagãos? Portanto, sede perfeitos, assim como vosso Pai celeste é perfeito”.
O Papa Emérito Bento XVI disse assim: “Por que Jesus pede para amar os próprios inimigos, isto é, um amor que excede as capacidades humanas? Na realidade, a proposta de Cristo é realista, pois considera que no mundo existe demasiada violência, demasiada injustiça, e portanto, não se pode superar esta situação exceto se lhe contrapuser um algo mais de amor, um algo mais de bondade”.
São Cipriano de Cartago ensinou assim: “À paternidade de Deus deve corresponder um comportamento de filhos de Deus, para que Deus seja glorificado e louvado pela boa conduta do homem”.
A Palavra diz: “Tem o teu inimigo fome? Dá-lhe de comer. Tem sede? Dá-lhe de beber: assim amontoarás brasas ardentes sobre sua cabeça e o Senhor te recompensará” (Pr. 25,21-22)
A Palavra diz: “Não vos vingueis uns aos outros, caríssimos, mas deixai agir a ira de Deus, porque está escrito: A mim a vingança; a mim exercer a justiça, diz o Senhor (Dt. 32,35). Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber. Procedendo assim, amontoarás carvões em brasa sobre a sua cabeça (Pr. 25,21s). Não te deixes vencer pelo mal, mas triunfa do mal com o bem” ( Rm 12,19-21)
“A comunidade cristã é convidada a quebrar o círculo vicioso da violência por meio do amor e a construir a cultura da paz” (Liturgia Diária).
O Catecismo (§ 2862) ensina que na oração do Pai Nosso imploramos “para as nossas ofensas a misericórdia de Deus, a qual não pode penetrar no nosso coração sem nós termos sido capazes de perdoar aos nossos inimigos, a exemplo e com a ajuda de Cristo”.
O papa Francisco disse: “Não vos parece que no nosso tempo temos necessidade de um suplemento de partilha fraterna e de amor? Não vos parece que temos todos necessidade de um suplemento de caridade? Não daquele que se contenta com uma ajuda ocasional que não nos compromete, não nos põe em jogo, mas aquela caridade que compartilha, que faz seu o problema e o sofrimento do irmão. Que saber adquire a vida quando nos deixamos inundar pelo amor de Deus!”
Jane Amábile

1. Foi quase com naturalidade que os noticiários dos últimos dias abriram, com a decisão do parlamento belga em aprovar a eutanásia a exercer sobre crianças que tivessem grandes deficiências e se se considerar estarem num grande sofrimento. Convidaram-se inúmeros professores de medicina, de psicologia, de sociologia e até de ética, para comentar tal acontecimento. A partir desta decisão parlamentar, na Bélgica, pais com filhos em grande sofrimento podem pedir para eles a morte. É muito estranha a lei que permite eliminar seres humanos portadores de deficiências e, ainda por cima, sendo crianças. Os pais que são geradores da vida dos seus filhos podem, tempos depois, eliminá-los porque se tornaram incômodos, causa de muitos trabalhos e incalculáveis despesas. Este caso é o último exemplo da civilização da morte. A sociedade atual parece não ter o mínimo respeito pela vida humana.
• Nos anos 30 do século passado, repetiram-se holocaustos, com a eliminação de judeus, só porque eram diferentes.
• Em investigações científicas chegaram a usar-se corpos de pessoas deficientes na perspectiva de fazer avançar a ciência, para a cura de algumas doenças.
• Também eliminaram pessoas mais velhas porque tinham perdido a saúde e eram agora um peso econômico e social para o estado.
• Nos finais do século XX começa a generalizar-se a prática da “interrupção voluntária da gravidez”, nome eufemístico dado ao aborto. Fizeram-se inúmeros referendos e leis para o tornar aceite.
• Na viragem do milênio, desenvolveram-se processos de legalização da eutanásia, com experiências várias, que receberam um nome estranho de “suicídio medicamente assistido”.
• Há mesmo quem consiga “encapotar” a eutanásia com a expressão “decisão antecipada da vontade” ou testamento vital.
Numa cultura da morte, assim assumida, não é de estranhar que a morte tenha o primeiro lugar, diariamente, nos telejornais. Já não são só as guerras ou os fenômenos naturais que trazem notícias de morte para a comunidade humana. É a vontade dos parlamentos e dos governos que, sem valores de referência, legalizam a morte a qualquer preço.
2. Os cristãos têm o dever de servir a vida, contrariando a todo o custo os falsos sinais de modernidade com que algumas ideologias levam a desprezar a vida humana. Não é um problema religioso que está em questão: é um problema ético, profundamente humano, porque defende a vida “desde a concepção até à morte natural”, promove a vida num desenvolvimento sustentável. Servir a vida com o maior número de iniciativas, amar a vida sempre.
• O início da vida é mais do que um milagre da natureza, é maravilhoso amor de Deus. A união de dois gametas de 23 cromossomas cada um dá origem, nove meses depois, a uma criança com uma organização biológica extraordinária e, simultaneamente, com uma capacidade de inteligência e de vontade a desenvolver.
• Ao longo da vida redobram-se os cuidados na educação para a saúde, no crescimento e desenvolvimento do corpo e do espírito, na criação dos projectos que assim dão sentido à vida, na orientação dos afetos e na concretização dos sonhos, inclusivamente na aprendizagem da relação com Deus. É a vida no seu todo que importa acompanhar e promover.
• No tempo do envelhecimento é preciso compreender e aceitar as renúncias, os medos, as perdas e tanta outra coisa que surpreende as pessoas na idade avançada. Mas, envelhecer também pode ser uma arte, que leva a aproveitar as recordações, as experiências e os momentos já vividos.
• Na proximidade do fim há a certeza de que a vida não acaba, apenas se transforma. Então, todos os dias são tempo de preparação para o grande encontro com Deus, depois de avaliar, em síntese, a vida, tudo o que de bom ou menos bom foi feito. E, quando a morte chegar, está-se preparado para a vida verdadeira que se foi construindo através dos anos.
Em todas as idades é fundamental servir a vida, dando-lhe o máximo de qualidade e aceitando os normais limites que estão ligados ao ser humano.
3. Os cristãos são por natureza os apóstolos da vida, pode dizer-se os facilitadores da vida. Devem ajudar todas as pessoas a terem uma vida mais feliz. Na sua complexidade, a vida pode ser sempre melhor. A vida é um composto de elementos, tendo em conta o físico, o psicológico, o social, o cultural, o espiritual e até o religioso. É por isso necessário garantir o apoio global a todos estes aspectos da vida humana quando se serve a vida.
• Não basta cuidar fisicamente das pessoas, garantir-lhe a saúde, a sustentação, o trabalho. É preciso muito mais.
• É insuficiente proporcionar conhecimentos e relações sociais. Com grupos de intervenção, a pessoa sente-se inserida na sociedade, está em atividade permanente e que lhe proporciona a consciência de fazer parte de uma autêntica comunidade humana.
• Mas é necessário também valorizar a vida de cada um nos aspectos espirituais e até de natureza religiosa. Só o homem que toca o transcendente consegue ser feliz e fazer os outros felizes.
Quando se serve a vida é a vida global que está em questão. É por isso que, para lá de todas as outras componentes a dimensão da fé e mesmo da vida religiosa é campo indispensável a desenvolver para a realização integral da pessoa humana em verdadeira felicidade.
4. Aqui, na Comunidade Paroquial, tem-se o dever de promover a vida na sua totalidade. No campo da assistência a pessoas com dificuldades, parece que chega garantir-lhes “a cama, a mesa e a roupa lavada”. Mas não é assim. Aos que nos procuram para crescer na fé, queremos proporcionar um tempo forte de catequese e de oração. A catequese verdadeira é sempre iniciação ou reiniciação à vida cristã.
• Às crianças do Centro Social e até da catequese, é fundamental o desenvolvimento integral da pessoa humana, sem esquecer a dimensão espiritual e religiosa.
• Aos jovens dos grupos ou do Clube de Jovens, para além dos tempos de lazer e de trabalhos de reflexão, a atenção completa exige a formação integral da pessoa humana.
• Aos mais velhos do Centro de Dia ou das missas e das liturgias, a resposta completa a todos os seus anseios é um desafio permanente.
Servir a vida é proporcionar a qualidade integral à vida de quantos nos rodeiam. Esta qualidade tem para lá da dimensão material e de estatuto, a obrigação de desenvolver relações interpessoais, espirituais e mesmo sobrenaturais (EV 23). O grande desafio é este: que todos sejam servidores da vida e da vida com qualidade.
monsenhor Vitor Feytor Pinto “Revista de liturgia diária”

FONTE:

Originalmente publicado em:


terça-feira

HOMILIA DOMINICAL ANO A - 6º DOMINGO DO TEMPO COMUM -12/FEV/2017




 CREDITOS:

Texto originalmente publicado em:

                INTERNAUTAS MISSIONÁRIOS

                     


CLIQUE NO LINK PARA ACESSAR:



- NÃO MATARÁS! - José Salviano

6º DOMINGO TEMPO COMUM - ANO A

12 de Fevereiro de 2014

12 de Fevereiro de 2017

Evangelho - Mt 5,17-37



Prezados irmãos. Neste Evangelho, Jesus jogou pesado! Suas palavras são duras, porém, necessárias para a nossa salvação. Ou somos cristãos, ou não somos! A partir de hoje precisamos decidir que rumo tomamos em nossa vida tribulada, e recheada de descaminhos e muitos tropeços.     

Temos aqui um texto do Evangelho de Mateus, recheado de lições muito importantes para a nossa vida e principalmente para a nossa salvação. Diante de tanta riqueza de ensinamentos em um só trecho, podemos ter duas atitudes: Escolher uma ou algumas verdades ditas por Jesus e explicá-las, ou tentar explicar todas elas de modo resumido
             "Não penseis que vim abolir a Lei e os Profetas".   A bem da verdade, os profetas só explicaram as leis. Isto porque, toda Lei do Antigo e do novo Testamento, teve um único autor: O próprio Deus, que falou pelas bocas dos profetas, depois através do seu Filho. Jesus não estava abolindo a Lei de Moisés, mas sim, denunciando e combatendo, as emendas desta Lei que foram acrescentadas pelos doutores da Lei, em benefício da elite religiosa, ou seja, os saduceus.
           
E é bom que prestemos bastante atenção nas palavras de Jesus, senão, poderemos nos condenar.  "   
                                              
"...nem uma só letra ou vírgula serão tiradas da Lei, ...quem desobedecer a um só destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no Reino dos Céus."
            
Mas, felizmente, tem o outro lado da declaração de Jesus que nos trás um grande alívio. É para aqueles que permanecerem firmes no cumprimento da Lei.  "Porém, quem os praticar e ensinar será considerado grande no Reino dos Céus."
           
 Prezados irmãos. Ufa! Essa é a nossa oportunidade deixada por Jesus, para alcançarmos o direito às maravilhas eternas!  Praticar os mandamentos da Lei de Deus, incluindo o Evangelho. Ao mesmo tempo que procuramos os ensinar aos nossos irmãos pelo testemunho e também pela palavra se for possível.
            "Se a vossa justiça não for maior que a justiça dos mestres da Lei e dos fariseus,
vós não entrareis no Reino dos Céus."         
Justiça é dar a cada um o que lhe pertence, ou, dar a cada um o que é seu ou ainda o que ele merece. Será que a nossa justiça está dando a cada criminoso o que eles merecem? Será que cada um que comete crimes bárbaros estão sendo punidos conforme a gravidade da sua injustiça?
           
Prezados irmãos, prezadas irmãs. Se analisarmos a nossa realidade, vamos perceber que a nossa justiça não está sendo realmente justa. Menores matam e não estão sendo punidos. Adultos matam as esposas e continuam soltos. Ladrões roubam as pessoas, roubam o dinheiro do povo, são presos, e pouco tempo depois estão livres para roubar, matar, estuprar novamente. Bêbados atropelam crianças, pagam uma fiança e no outro dia estão dirigindo de novo. Que justiça é essa? É a justiça de Deus ou do diabo? A justiça dos homens para ser justa, deve seguir a justiça de Deus anunciada por Jesus. Mas pelo que estamos percebemos, não é isso o que foi copiado pelos nossos legisladores. Como pode um assassino ficar solto? Assim a nossa justiça está pior do que a justiça dos mestres da Lei e dos fariseus. E segundo o Evangelho de hoje, por causa disso muitos de nós não entrarão no Reino dos Céus. 
         
Caríssimos. Até quando? Até quando a injustiça vai continuar na nossa sociedade? Parece que não há o menor interesse em mudar as leis. Quais são as forças sociais benignas e malignas que estão operando com tanta força e com tanto poder ao ponto de deixar tudo como estar para ver como é que fica? Quais são os interessados nisso? Você tem assistido os noticiários? Ou permanece alheio a tudo o que acontece? Se você acompanhar as notícias saberá quem é quem na nossa sociedade que está impedindo a reforma do Estatuto do Menor, e a reforma do nosso ultrapassado Código Penal. Enquanto isso os policiais estão sendo executados, ou corrompidos por causas dos seus salários injustos. Enquanto ninguém toma nenhuma providência, só nos resta rezar para que Deus tenha piedade de nós.  E nas próximas eleições, vamos ficar espertos para perceber quem é que mente mais em seus discursos de campanha eleitoral.
            
'Não matarás! Quem matar será condenado pelo tribunal'.
           
Não matei, não roubei. Portanto sou inocente, e posso até receber a Hóstia! É assim que pensam muitos dos nossos católicos brasileiros do mundo inteiro.   Acontece que todo dia nós matamos um pouquinho alguns dos nossos irmãos. O nosso genro, a nossa sogra, a nossa esposa, o vizinho, o empregado, o patrão, o professor, o aluno, e assim vai.  Mais como assim? Como matamos aos poucos os nossos irmãos? Jesus vai dizer:

...todo aquele que se encoleriza com seu irmão será réu em juízo; quem disser ao seu irmão: 'patife!'será condenado pelo tribunal; quem chamar o irmão de 'tolo' será condenado ao fogo do inferno."
           
Meu Senhor e meu Deus!  Quem vai se salvar então? Essa foi uma das perguntas dos discípulos...  Se quem chamar o irmão de 'tolo'... Já está encrencado...Você já parou para pensar da  gravidade da nossa situação? Já pensou nos predicados que às vezes chamamos os nossos irmãos? Filho da... Imbecil... Burro...Idiota... são as qualificações mais brandas e corriqueiras que até em tom de brincadeira, rotulamos os nossos próximos. Desse jeito quem vai se salvar?
           
É meus irmãos! Nós precisamos tomar jeito! Precisamos melhorar a nossa justiça, precisamos nos converter de verdade!
            Portanto, quando tu estiveres levando a tua oferta para o altar, e ali te lembrares que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa a tua oferta ali diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão. Só então vai apresentar a tua oferta.
           
Reparou que Jesus não disse: - Se te lembrares que tens alguma coisa contra teu irmão... ou se fizestes mal ao tem próximo... Mas sim, Ele disse: e ali te lembrares que teu irmão tem alguma coisa contra ti"...   Isso porque, se seu irmão tem alguma coisa contra a sua pessoa, se ele está chateado com você, é porque você certamente foi injusto com ele. Portanto, a tua oferta não faz sentido nenhum.  Por que não existe essa de manter a amizade com Deus enquanto guardamos mágoa do irmão, da irmã. Em outras palavras, isso é uma coisa inadmissível!  Então, deixar a oferta no altar e ir fazer as pazes com o irmão, é equivalente dizer: Saia da fila da Eucaristia, e só volta depois de fazer as pazes com o próximo com o qual você foi injusto, injusta!        
"Procura reconciliar-te com teu adversário, enquanto caminha contigo para o tribunal.

             
Isso significa que precisamos resolver todos os nossos dissídios com os nossos irmãos enquanto estamos vivos, enquanto estamos nesta vida, nesta estrada rumo ao julgamento final, rumo ao dia do Juízo.   Precisamos, acima de tudo, perdoar os que nos têm ofendido, mas é perdoar de verdade, não é da boca para fora! Tá difícil perdoar? Então recolha em oração, peça a Deus o dom do perdão, com fervor, com vontade, com determinação, e pensando, acima de tudo na sua salvação eterna!
           
Meu irmão, minha irmã. Você se encontra em uma situação dessa? Sente-se indigno(a) da Eucaristia por algum problema com alguma pessoa?  Não se desespere! Por que Deus sempre nos conduz a reconciliação com as pessoas com as quais temos atritos e desavenças. Reze, e fique esperando, fica de olho! O momento vai chegar. Acredite. Deus vai providenciá-lo. Ele vai dar um jeito de colocar você e seu irmão um, frente do outro em uma situação em que terão de se falar, de se perdoar, se não por pedido de desculpas, mas pela reaproximação...  Uma situação de perigo para os dois, uma emergência em você e ele terão de tomar uma providência, sei lá. Deus é imprevisível, e sempre dá um jeito de nos reaproximar para reatarmos a amizade.
            "Todo aquele que olhar para uma mulher, com o desejo de possuí-la, já cometeu adultério com ela no seu coração, ou em seus pensamentos".
           
Mais não é exatamente isso que acontece? A nossa imaginação é muito forte! Olhamos, admiramos, desejamos e imaginamos... E em frações de segundos... nós pecamos. Porém, não é necessário se desesperar! Afinal, não temos culpa se a nossa irmã se apresenta na nossa frente com uma vestimenta sumária, ou muito sensual. O que precisamos fazer é ter o bom senso de agir normalmente, e procurar ver naquela maravilha, a obra de Deus, e seguir em frente. Porque apesar de todo pecado ter o seu início na nossa mente, não estamos ainda em pecado mortal. A menos que naquele momento de imaginação, arquitetamos um plano de nos aproximar dela para uma conversa especial... Você entende?  .
"Se a tua mão direita é para ti ocasião de pecado, corta-a e joga-a para longe de ti! ”
           
Se tomarmos ao pé da letra as palavras de Jesus em certos trechos do Evangelho, a compreensão fica comprometida.  Você já imaginou quantas pessoas sem mãos nós veríamos andando pela rua?  Quanto político, quanto empregado, quanto patrão... Quase todos não teriam a mão direita.  
           
Então o que devemos fazer?  Cortar os nossos membros todos para nos livrar dos pecados? É certo o que Jesus disse: É melhor ficar sem a mão, sem um olho, e ir para o Céu... Porém, vamos entender assim: O que nós devemos fazer é cortar tudo o que nos leva ao pecado.  Não vamos furar o nosso olho direito, mas sim, parar de acessar as páginas da internet que nos mostram coisas, imagens que podem ser ocasião de queda, ocasião de pecado.  Também não é o caso de nunca mais entrar na internet. Ela é uma ferramenta muito importante nos dias de hoje. O que precisamos fazer, é disciplinar o seu uso. Por falar em uso, resumindo o entendimento das palavras de Jesus, não precisamos cortar nenhum dos nossos membros, mas sim, fazer uso correto de todos eles, usar a nossa liberdade para nos aproximar cada vez mais de Deus, usar a nossa liberdade e nosso membros para adorar a Deus.   Ao interpretar os ensinamentos de Jesus assim, esperamos não estar distorcendo suas palavras. Mas sim estamos nos baseando em outras de suas palavras quando Ele disse: ... amar a Deus segundo o teu  entendimento...  É claro que esse entendimento deve estar sendo iluminado pelo Espírito Santo e não pelo diabo!

Conclusão: 

Meus irmãos. Esta  é a palavra de Deus, que para muitos são palavras duras, difíceis de se seguir. Porém são palavras de Vida Eterna, anunciadas pelo próprio Filho de Deus vivo.  Nós só temos uma escolha: Guardá-la, segui-la e anunciá-la. Não basta admirar, acreditar. É preciso praticar. Caso contrário, se a ignorarmos, iremos parar no inferno. O inferno não é uma invenção da Igreja, mas foi anunciado por Jesus Cristo, como um lugar de fogo eterno onde haverá muito choro e ranger de dentes. Não queiramos ir para esse lugar!. 
            
Então, a palavra de Deus deve ser: Guardada,  seguida e anunciada. Os cristãos têm de ter a coragem de testemunhar, de ensinar  na sociedade em que  vivem, os valores ensinados por  Jesus em toda a sua pureza, em toda sua riqueza, em toda sua clareza, sem usar meias palavras, ou procurar adaptá-los à realidade em que se encontram os pecadores.  Só e somente assim, estaremos lançando as fundações e os pilares da construção de um novo mundo.

Que Jesus nos dê forças para levantar, e caminhar de cabeça erguida, puros diante de Deus.

Que o Espírito Santo nos ajude a sermos perfeitos como o Pai é perfeito.

Tenha um bom e santo domingo.

MARCADORES - INDICE DOS ARQUIVOS



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

OBRIGADA PELA VISITA. VOLTE SEMPRE!

OBRIGADA PELA VISITA. VOLTE SEMPRE!